libertadores

 

 
Compartilhe
Imprimir
Comunicar erro
 
REUTERS/Paulo Whitaker
 

Edu Dracena comemora o gol marcado de cabeça contra o Cerro Porteño

25/05/2011 - 23h50

Sob olhares de Robinho, Neymar 'presenteia' Dracena e dá vantagem mínima ao Santos

João Henrique Marques
Em São Paulo

Robinho esteve presente no Pacaembu na noite desta quarta-feira e viu o seu “herdeiro” Neymar desequilibrar a favor do Santos. O jovem comandou as melhores jogadas de ataque do time, e foi o responsável pela criação do lance do gol de Edu Dracena. O lance foi o que determinou a vitória do alvinegro contra o Cerro Porteño por 1 a 0, e a abertura da vantagem no confronto de semifinal da Libertadores.   

“Eu assino essa jogada do Neymar. Foi golaço”, disse Robinho a caminho dos vestiários no intervalo da partida. O atacante do Milan acompanhou o primeiro tempo ao lado do presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro na Tribuna de Honra do estádio.

Semifinais da Libertadores

 
 
 
 
Foto 6 de 21 - Neymar tenta passar pela marcação durante o duelo entre Santos e Cerro PorteñoRubens Cavallari/Folhapress

O jogo de volta será na próxima quarta-feira, em Assunção. O Santos joga por um empate, ou pode até perder por um gol de diferença desde que marque como visitante.  A vitória por 1 a 0 do Cerro leva a decisão da vaga para os pênaltis.   

Na véspera do jogo, Neymar prometeu dribles e comentou estar preparado para novas “pancadas”. O atacante tinha razão. O repertório vasto de dribles foi utilizado, e com isso, ele cansou de apanhar.

Mesmo assim, O Cerro Porteño não foi capaz de parar a linda jogada do primeiro gol santista. Neymar recebeu a bola na entrada da área pelo lado esquerdo, e uma ginga de corpo enganou três adversários que estavam ao seu redor. O jovem levou a bola até a linha de fundo e cruzou para o gol de Dracena.

O “ferrolho” paraguaio no Pacaembu surtiu efeito nos minutos iniciais. O Cerro congestionou o meio-campo, e só posicionava mais de um jogador no ataque em jogadas de bola parada. Tanto que só em cobranças de escanteios e faltas é a que equipe assustava o adversário.

O gol santista nos minutos finais da primeira etapa foi a desculpa perfeita para Muricy não modificar o time logo de cara no segundo tempo. O Santos permaneceu com três volantes, Adriano, Arouca e Danilo, e Elano na função de meia.

No segundo tempo, aos 20 minutos, parte da torcida chegou a pedir a entrada de Maikon Leite. Nada que abalasse Muricy. O treinador só foi atender o apelo 15 minutos depois, e o atacante entrou no lugar de Zé Eduardo, que completou 13 jogos sem marcar.

O Cerro foi inoperante em todo o segundo tempo, e a torcida santista ficou impaciente pela manutenção “apenas” da vantagem simples. Chance de aumentar foram poucas, mas uma foi marcante: Neymar cruzou a bola na área e Alan Patrick perdeu gol incrível na pequena área. É, sendo assim, o Santos venceu "só" por 1 a 0.

O QUE MARCOU O JOGO

Robinho erra palpite Zé Love vaiado Efeito Larrionda
O craque revelado no Santos viu o jogo ao lado do presidente do clube, Luís Álvaro. "Quero 4 a 0", disse o atacante. No intervalo, ele falou à TV: ''Com a minha última temporada no Milan, é difícil eu voltar''. O atacante aumentou o seu jejum de gols para 15 partidas. Participou das jogadas de ataque, mas atrapalhou. Teve chances de gol, mas perdeu. Acabou sendo substituído por Maikon Leite, e saiu de campo sob as vaias da torcida. Ele é o mesmo árbitro que não deu gol para a Inglaterra contra a Alemanha na Copa, e assustou os santistas quando o time abriu o placar. Na verdade, o vacilo foi do bandeirinha, que não correu para o centro logo após o gol.
https://stationlove.webnode.com.br