Ex-secretário de SP diz que metrô tem de ficar na av. Angélica

14/05/2011 09:07

 O melhor lugar para uma estação de metrô em Higienópolis, região central de São Paulo, é a avenida Angélica, disse ontem o ex-secretário de Transportes Metropolitanos, José Luiz Portella.

Após polêmica, Metrô não sabe onde colocar nova estação
Assalto interrompe circulação do metrô carioca por 30 minutos
Lula diz que moradores de Higienópolis têm preconceito
Internauta recua de churrasco e propõe abaixo-assinado em SP

Portella antecedeu o atual secretário Jurandir Fernandes no cargo de secretário. Sob a sua gestão, a secretaria divulgou em 2010 o traçado da linha 6-laranja, da qual a estação Angélica fazia parte.

Após pressão de moradores e empresários, Fernandes descartou o metrô na Angélica, o prometeu para o Pacaembu e, agora, pretende instalá-lo no miolo de Higienópolis, entre a praça Vilaboim e a avenida Pacaembu.

"Entre Angélica e Pacaembu, Angélica. Quanto mais próximo da Angélica, melhor. Isso é claro", disse Portella ontem à rádio CBN, da qual é comentarista. "Nunca foi discutido se não teria [estação na avenida Angélica]."

  Rodrigo Capote/Folhapress  
Esquina da avenida Angélica com rua Sergipe, na rgião de Higienópolis. Local iria receber estação do metrô.
Esquina da avenida Angélica com rua Sergipe, na região de Higienópolis; local iria receber estação do metrô

Ele questionou ainda um dos principais argumentos do Metrô para excluir a estação Angélica: a distância de 610 metros para outra (Higienópolis/Mackenzie), que, segundo a companhia, é pequena a ponto de não permitir aos trens andar rápido.

Esse é apenas um dos elementos a ser considerado para construir uma estação --nem de longe o principal, afirmou o ex-secretário.

"Eu divirjo. O ponto principal é a conectividade, a demanda local e o método construtivo. Na linha azul, as distâncias são menores, há estações com 700 metros."

A "conectividade" se dá pelo fato de a avenida Angélica ser um corredor de ônibus. A demanda está no uso misto na região, que tem casas, empresas e comércios.

Por fim, o solo: Portella afirmou que a Angélica tem solo argiloso, mais adequado à construção da estação do que as outras opções que a sucederam. "Quando você vai descendo, se aproximando de fundo de vale, como no Pacaembu, [o solo] é pior."

Procurado pela Folha, o ex-secretário não quis falar. Disse que, à CBN, falou na condição de comentarista.

A assessoria do secretário Jurandir Fernandes, sucessor de Portella, informou que ele não se manifestaria.

O Metrô tem dito que uma decisão técnica subsidiou a exclusão da estação Angélica. O miolo de Higienópolis é capaz de atender tanto o bairro quanto Pacaembu de forma satisfatória, disse o presidente da companhia, Sérgio Avelleda.

A expectativa, diz ele, é que a nova estação tenha os mesmos 25 mil usuários por dia daquela que ficaria na Angélica. As obras da linha 6-laranja começam em 2012. O metrô diz que ainda não há previsão de custos.

 
 
http://stationlove.webnode.com.br